segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Projeto BLOG na sala de aula

Modulo IV – Atividade 3

Cursista: Jane Elizabette Falkowski Bakalarczyk
Tutora: Marilda Cruz Sales Vaz

As possibilidades educacionais encontradas nos blogs são infinitas, uma delas é a aproximação entre os alunos e os professores que trocam experiências em um plano mais descontraído e pode fazer com que o professor conheça quais assuntos mais interessam seus alunos.
Outro fator importante é a ponte que pode se estabelecer entre os próprios professores na troca de experiências de práticas pedagógicas, interagindo e selecionando o que podem trazer de bom para suas próprias práticas pedagógicas assim como a divulgação dos trabalhos e pesquisas dos professores e dos próprios alunos, facilitando em muito o trabalho de ambos sem citar os benefícios ambientais (economia de papel).
A utilização do blog pelo professor e seus alunos pode substituir o giz e o caderno, provocar o aluno a produzir textos, personalizar seu ambiente, acima de tudo construir seu conhecimento de forma dinâmica, moderna e significativa, ressaltando a característica da interatividade que é mais rápido que em um site convencional.
Enfim, o blog aproxima professores e alunos, os estudantes tendem a se identificar com o professor blogueiro, se o aluno cria um blog, os professores têm um espaço a mais para orientar o aluno, permite maior reflexão sobre o conteúdo, mantém o professor atualizado, possibilita realização de atividades extra-classe. Outra funcionalidade do blog é divulgar os trabalhos doa alunos e professores e permite acompanhamento além de ensinar/aprender a linguagem digital.
Fonte:
http://profeanelise.blogspot.com/2008/08/importncia-dos-blogs-na-escola.html
http://www.rota83.com/a-importancia-dos-blogs-na-educacao.html

Pensando sobre possíveis mudanças e contribuições das Tecnologias

Unidade IV – Atividade 1
Cursista: Jane Elizabette Falkowski Bakalarczyk
Tutora: Marilda Cruz Sales Vaz

Lendo Pedro Demo, encontramos algumas definições sobre o processo educacional que estamos vivendo, uma delas é que a escola utiliza a linguagem de Gutenberg, de 600 anos atrás e nosso aluno faz uso de linguagens de mp3, DVD, TV, internet, o que justifica a distância entre o interesse pela escola por parte de nossos alunos.
Usando computadores e internet em nossas atividades curriculares estaremos proporcionando aos nossos alunos uma linguagem que lhe é conhecida e com isso deixaremos de ser “encalhados no processo de ler, escrever e contar”. Isso provocará uma mudança em nossas práticas pedagógicas, estaremos utilizando a “linguagem situada”, ou seja, o aluno vai ler o que lhe interessa e não o que a escola quer que ele leia, ele vai ser um pesquisador e não um receptor de conteúdos predefinidos por um sistema. O aluno escreverá com mais prazer e o professor deixará de “dar aulas” prontas.
As novas tecnologias não entram na escola por si só, elas são levadas pelos professores que precisam ser reconstruídos, capacitados, formados para ter as competências exigidas nesta “nova” fase educacional. Este aspecto requer mais atenção pois para que tudo isso aconteça será necessário dar oportunidade ao educador que tem seu compromisso 200 dias por ano em sala de aula.
O sistema educacional precisa rever seu calendário letivo, definir estratégias para que o professor tenha incentivo a sua formação continuada sem que tenha que repor aulas e sem perder seu descanso anual e/ou semanal, afinal, a aprendizagem é o foco principal dos educadores e a escola deve deixar de ser um mundo estranho ao seu aluno.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Revolução Francesa - Unidade III - Ativ 3

video

Planejando a Aula – O que se aprende

Unidade III - Atividade 2
Revolção Francesa

A. Em que série pode ser utilizado o texto escolhido?:
Na 2ª série do ensino médio.

B. Em quais disciplinas o filme pode ser explorado?
Língua Portuguesa, Arte, História, Geografia e Filosofia.

C. Qual ou quais os conteúdos que você irá ministrar?
Revolução Francesa.

D. Qual ou quais os objetivos de aprendizagem a ser estudado com seus alunos?
-Identificar as relações de poder nos diversos períodos da História, confrontando suas interferências no processo de desenvolvimento das diferentes sociedades;
-Analisar as manifestações do pensamento político nas sociedades do passado e da contemporaneidade, percebendo que também faz parte de suas transformações como sujeito atuante no processo histórico.
E. Além do texto, que outros recursos podem ser usados?
Apresentar imagens no Labim através do Software Google Earth . Em seguida pesquisar em http://educação.uol.com.br/historia/ult1704u3.jhtm para ler o texto “A queda da Bastilha e o fim do regime abolicionista”
Fazer comentários no Blog da professora www.janeelizabette.blogspot.com
Apresentação de imagens visuais em Power point , após produção de texto individual e socialização na sala de aula
Recursos Materiais: Comunidade local, computadores com acesso a Internet, murais, vídeo.
Recursos Humanos: Professores e técnico do laboratório de informática
Formatando sua aula em Power Point ( inserir vídeo, imagem, link)
1. Série – 2ª Série do Ensino Médio
2 Disciplina – História
3 Professor- Jane Elizabette Falkowski Bakalarczyk
4 Texto escolhido – “A queda da Bastilha e o fim do regime abolicionista”
5 Conteúdo que irá ministrar – Revolução Francesa
6 Objetivos -Identificar as relações de poder nos diversos períodos da História, confrontando suas interferências no processo de desenvolvimento das diferentes sociedades;
-Analisar as manifestações do pensamento político nas sociedades do passado e da contemporaneidade, percebendo que também faz parte de suas transformações como sujeito atuante no processo histórico.


7 Questões a serem trabalhadas com os alunos para reflexão do conteúdo-
Como os personagens demonstraram o tema?
Como se manifestam os pensamentos políticos da época?
Como se dão as relações de poder na época?
Qual a influencia da Revolução Francesa nos dias atuais?




Este Plano de Aula oportuniza a utilização das TICs em sala de aula, muda a dinâmica de sala e motiva os alunos no sentido de produzir textos depois de conhecer através do Google Earth, os locais onde os fatos aconteceram.

Tecnologias em Sala de Aula

Unidade III - Atividade 3

A mente humana é um centro de criação, armazenamento e processamento de informações. Como educadora, preciso estar em constante formação para que minha mente de continuidade neste processo e com isso acompanhe as novidades surgidas a cada dia.
Desde minha alfabetização até os dias atuais, percebo visivelmente que para a escola estão sendo oferecidas várias oportunidades de diversificar suas metodologias de ensino, cabe ao professor utilizá-las ou não.
O curso Tecnologias na Educação: Ensinando e aprendendo com as TIC nos proporciona armazenar e processar informações que serão muito válidas em nossa prática pedagógica em sala de aula pois, se nossa mente não acompanhar as modernidades do mundo, com certeza nossos alunos, que vivem nesta era de informações tecnológicas, nos ultrapassarão e não teremos oportunidade de exercer nossa profissão com qualidade e acima de tudo, com sucesso.
As TICs mais utilizadas em sala de aula são data show, TV e Vídeo e Internet, mas para que tudo seja eficiente na aprendizagem, devemos quebrar tabus e enfrentar nossas dificuldades, assumir uma postura de educador pesquisador, inovador e acima de tudo, preocupado com a inclusão nas escolas de tecnologias inovadoras.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Pensando sobre possíveis mudanças e contribuições das Tecnologias

Unidade IV – Atividade 1
Cursista: Jane Elizabette Falkowski Bakalarczyk
Tutora: Marilda Cruz Sales Vaz


Lendo Pedro Demo, encontramos algumas definições sobre o processo educacional que estamos vivendo, uma delas é que a escola utiliza a linguagem de Gutenberg, de 600 anos atrás e nosso aluno faz uso de linguagens de mp3, DVD, TV, internet, o que justifica a distância entre o interesse pela escola por parte de nossos alunos.
Usando computadores e internet em nossas atividades curriculares estaremos proporcionando aos nossos alunos uma linguagem que lhe é conhecida e com isso deixaremos de ser “encalhados no processo de ler, escrever e contar”. Isso provocará uma mudança em nossas práticas pedagógicas, estaremos utilizando a “linguagem situada”, ou seja, o aluno vai ler o que lhe interessa e não o que a escola quer que ele leia, ele vai ser um pesquisador e não um receptor de conteúdos predefinidos por um sistema. O aluno escreverá com mais prazer e o professor deixará de “dar aulas” prontas.
As novas tecnologias não entram na escola por si só, elas são levadas pelos professores que precisam ser reconstruídos, capacitados, formados para ter as competências exigidas nesta “nova” fase educacional. Este aspecto requer mais atenção pois para que tudo isso aconteça será necessário dar oportunidade ao educador que tem seu compromisso 200 dias por ano em sala de aula.
O sistema educacional precisa rever seu calendário letivo, definir estratégias para que o professor tenha incentivo a sua formação continuada sem que tenha que repor aulas e sem perder seu descanso anual e/ou semanal, afinal, a aprendizagem é o foco principal dos educadores e a escola deve deixar de ser um mundo estranho ao seu aluno.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Santa Edwirges

Rezar...Ilumina a Alma"

Santa Edviges, vós que na terra fostes o amparo dos pobres, a ajuda dos desvalidos e o socorro dos endividados, e no céu agora desfrutais do eterno prêmio da caridade que em vida praticastes, suplicante vos peço que sejais a minha advogada, para que eu obtenha de Deus o auxílio de que urgentemente preciso ...(fazer o pedido). Alcançai-me também a suprema graça da salvação eterna.
Santa Edviges, rogai por mim. Amém.
Pai-nosso, Ave-Maria, Glória.

Trabalhando...
















sexta-feira, 27 de agosto de 2010

PLANO DE AULA - HISTÓRIA ( UNIDADE II )

Escola:___________________________________________________________________________________
Disciplina: História Série/Ano:2ª Série – Ensino Médio Ano: 2010
Turno:Matutino Professora: Jane Elizabette Falkowski Bakalarczyk

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

Competência: A capacidade de intervir para solucionar situações complexas, valendo-se do método científico, bem como de propor e envolver-se em alternativas criativas de melhoria do contexto individual e social, priorizando o foro da construção coletiva e da validação democrática.

Habilidade(s): -Identificar as relações de poder nos diversos períodos da História, confrontando suas interferências no processo de desenvolvimento das diferentes sociedades;

-Analisar as manifestações do pensamento político nas sociedades do passado e da contemporaneidade, percebendo que também faz parte de suas transformações como sujeito atuante no processo histórico.

Conteúdos mobilizados (Unidade, Capítulo): Revolução Francesa

CRONOGRAMA E METODOLOGIA DAS AULAS PREVISTAS:

02/08 - Acessar Google Earth para conhecer Paris e observar imagens de pontos turísticos;
Pesquisar: http://educacao.uol.com.br/historia/ult1704u3.jhtm e ler o texto A queda da Bastilha e o fim do regime absolutista.

03/08 - Leitura do texto “Do Estado absolutista à queda da Bastilha”, slides com imagens da época.

04/08 - Produção de texto individual para registrar conhecimento no caderno de aula, socializar os textos através de leitura.

RECURSOS:
LABIN
DATA SHOW
TEXTOS

AVALIAÇÃO:

Descrever através de Registro no caderno (deve ser considerado as anotações pessoais dos alunos, contextualização do aluno, experiências vividas relacionadas ao conteúdo e não meramente a cópia fiel do conteúdo exposto no dia). Peso: 1.0

quinta-feira, 1 de julho de 2010

O que é Hipertexto?
O surgimento da Internet revolucionou a maneira de se comunicar e de aprender. Ao realizar uma leitura em um livro, podemos encontrar palavras ou frases que nos remetem a outra informação ou a seu significado. Para então sabermos o que significa necessitamos do auxílio de um dicionário ou de outras fontes de pesquisas. Na Internet isso não é necessário pois as informações intrínseca ao texto apresentam-se em forma de hipertextos, com links que são termos destacados na cor azul, no corpo principal do texto, que interconectam a informação complementar desejada pelo autor.
O hipertexto possui características que facilitam a aprendizagem, o professor pode utilizar recursos como imagens, músicas, partes de filmes, depoimentos e muitos outros para dinamizar sua aula, dando velocidade e precisão, interatividade e acessibilidade a múltiplos conhecimentos.